www.autonaweb.com.br
 
 

New Fiesta

  • 06/05/12
Teste NewFiesta SE: Compacto com requintes de médios - e grandes
Por Daniel di Giorgio

O NewFiesta Hatch, ou apenas Fiesta para contrariar o marketing da Ford, foi lançado em novembro de 2011 no Brasil importado do México. É um carro que pode causar as mais diversas reações, desde o espanto pelo preço em um compacto até o prazer de dirigir realmente presente. Muito bem acertado, será que vale o que é pedido por ele? Continue lendo o teste para tirar as próprias conclusões - além de saber da nossa. A versão utilizada no teste é a única disponível, a SE, mas com o pacote completo de opcionais. Para saber qual é a versão completa durante o dia, basta ver o modelo com as rodas esportivas como a das fotos. A versão de entrada tem rodas menores e raiadas. À noite, repare se há leds nos para-choques dianteiros. Mas o SE completo vai muito além disso em termos de equipamentos, como você verá no decorrer do teste.

Antes de começarmos, você nos pergunta: Mas o Fiesta não está prestes a mudar? Sim, o carro será nacionalizado e receberá alterações principalmente na parte dianteira, que será renovada, mas a maior mudança do modelo será quanto ao posicionamento de mercado, onde terá versões inexistentes atualmente. O modelo contará com uma versão de entrada, simplificada por dentro e por fora, para brigar com as versões de entrada de Punto e C3 e também para combater as versões de topo de Ônix e HB20, que são de categoria inferior ao novo Fiesta e serão rivais da nova geração do Ka em todas as versões. Tecnicamente, porém, pouca coisa será alterada em relação ao modelo que testamos aqui. Sabemos que, além do visual e da versão básica mais barata, o modelo deve receber o rápido câmbio de 6 marchas, dupla embreagem e trocas automáticas, que será opcional reservado aos modelos mais caros.

O grande atrativo da nova geração do Fiesta é, sem dúvida, seu desenho. Mesmo sendo um carro de 2009 na Europa, até hoje não se vêem compactos com desenho tão bem acertado quanto o dele. O novo Clio, lançado no Salão de Paris de 2012, é um belo carro, mas ainda não foi dessa vez que o Fiesta foi superado - e olha que no mesmo evento, a Ford deu um tapa no visual de seu compacto, a citada mudança que chegará por aqui em breve. Voltando aos concorrentes, você sai do Clio europeu (que não teremos no Brasil - contente-se com o Clio de 1998 ou com o Sandero...) e vê carros da categoria dos chamados “compacto premium” desde Punto reestilizado até novo C3, Honda Fit, passando por Sonic, e o Novo Fiesta continua o mais belo de todos em nossa opinião. Então, vamos começar o teste pelo interior do carro, já que o exterior é, em nossa opinião, o carro a ser batido em sua categoria.

new fiesta
Desenho extremamente inspirado representa um salto na categoria que não se via desde 1998, quando foi lançado o Peugeot 206.

 

Para acessar as próximas sessões deste teste, basta clicar na opção desejada no menu do topo da tela. Para voltar ao começo do site, clique no logo do site acima.

 
 
 

Ford New Fiesta

  • 06/05/12
Interior: Moderno e bem acabado, porém com dimensões limitadas.

A única versão da nova geração do Fiesta disponível no Brasil atualmente é a SE. Isso mudará em meados desse ano com a advento do modelo nacionalizado, como mencionamos anteriormente. Atualmente há New Fiesta SE em 3 pacotes de opcionais: O primeiro, de R$ 45.370,00, traz, entre outros, vidros e travas elétricos, ar condicionado, direção elétrica, CD com MP3 e entrada auxiliar, alarme, vidro elétrico nas 4 portas, rodas de liga leve aro 15 e 6 alto falantes; O segundo, que custa R$ 47.790,00, acrescenta o bom sistema SYNC de interação com o carro e comandos em português, sistema de som com conexão bluetooth, entradas auxiliar e USB, freios ABS com controle de estabilidade, o bom assistente de subida em rampas e air bag duplo com sistema de classificação dos ocupantes (controla o funcionamento dos air bags caso sejam acionados); O terceiro, que usamos no teste, inclui rodas de liga leve aro 16 e desenho esportivo, 7 air bags com sistema de classificação de ocupantes, bancos em couro, retrovisores com luzes indicadoras de direção, indicador de ponto cego e aquecimento e é vendido por R$ 51.670,00. Todos os valores mencionados referem-se a maio\2013. Todos utilizam o mesmo competente e acertado conjunto mecânico, do qual falaremos adiante.

O espaço interno não melhorou com relação à geração anterior, agora chamada pela marca de Fiesta Rocam, apesar do novo Fiesta ser apenas 9 cm menor que o Focus de primeira geração, vendido entre 2001 e 2009 no Brasil. De cara, poderíamos assumir ser este um aspecto negativo a ser considerado, mas ele não perde para a maioria dos compactos em produção atualmente, além disso, devemos lembrar que as rígidas leis de segurança vigentes na Europa e EUA, principais mercados do carro, tem uma grande parcela de culpa, pois exigem muitas barras de segurança e áreas de deformação bem definidas. Se isso prejudicou o espaço interno, ajudou de verdade na segurança: O carro ganhou 5 estrelas no NCAP europeu, valor que é a nota máxima, e foi o único compacto a conseguir tal avaliação até agora. Mas e o espaço, é bom ou ruim? Comparando com os concorrentes, está dentro da média. É melhor que C3, empata com Sonic e perde por pouco para o Punto. Quando sua versão "pelada" chegar para brigar com a versão top de linha de Ônix e HB20, também não terá problemas. O porta-malas tem bom espaço pela proposta do carro.

As cores predominantes do interior são preta e cinza\prateado, independente da cor externa. O preto é um gosto do brasileiro mais pela praticidade de não sujar muito do que pela estética. O cinza\prateado dá um tom esportivo ao interior e está presente principalmente no painel de instrumentos. Os bancos pretos possuem bordas brancas, como no Fusion de primeira geração, e as cores acabam combinando muito bem entre si. No geral, o interior agrada quase tanto quanto o exterior no que tange à estética e ao acabamento.

Ford Fiesta
Acabamento dos bancos segue o padrão do restante do interior e agrada.

Falando em bancos, eles são bem diferentes do seu irmão mais velho Fiesta Rocam: os dianteiros são grandes, de espuma densa e excelentes apoios laterais, grandes encostos de cabeça e um apoio de braço apenas para o motorista. Esse apoio é muito bom, mas cara Ford, os passageiros do carro sempre perguntaram “cadê o meu?” durante o teste. Seria interessante resolver na nacionalização do veículo.

Sem rebarbas, sobras ou parafusos aparentes, o revestimento geral do carro agrada. Os bancos em couro são iguais aos do irmão maior Fusion, mas o de primeira geração (o novo Fusion tem acabamento mais requintado). As quatro portas tem uma seção em couro e outra em plástico levemente maleável, causando boa impressão, mas as maçanetas poderiam ser melhores pois parecem ter saído diretamente de um carro popular. O revestimento do painel está muito acima dos concorrentes, com material emborrachado encontrado apenas em carros de categorias bem superiores ao Fiesta. O carro utilizado no teste já tinha pouco mais de 16.000 km rodados e nos surpreendeu o fato de não apresentar qualquer barulho de suspensão ou peças soltas ou com encaixes desgastados. Comportou-se como um carro que acaba de sair da concessionária.

O volante tem boa pegada, é revestido em couro de boa qualidade e possui diversos controles - som, controlador de velocidade e telefone - todos bem posicionados.

Ford Fiesta 2012
Comandos à mão e acabamento bem feito, mas maçanetas destoam.

Os comandos estão todos ao alcance das mãos e o mais distante, o rádio, tem seus 2 principais botões destacados do painel. Isso significa que 2 dias utilizando o carro e os comandos do rádio são decorados pelo motorista. O carro de nosso teste tinha um facilitador: comandos por voz desenvolvidos pela Ford em parceria com a microsoft dão um show à parte. Aperte um botão e interaja com o carro "conversando" com ele. Uma voz feminina lhe obedece de forma que a maioria dos comandos de som e telefone não exigem uso das mãos, que podem ser mantidas na direção. A iluminação do painel de instrumentos e dos comandos tem predomínio de branco com um vermelho/âmbar claro, escolha feliz em nossa opinião, pois dá um efeito estético muito bom e não cansa o motorista com o tempo. E se caso cansar, o carro vem com reostato de série. O ajuste do reostato é muito interessante, com botão similar ao de acionamento de vidro elétrico e não o tradicional botão giratório. Outro ponto positivo do painel é que sua seção de instrumentos fica visível 100% do tempo, independente da estatura do motorista, auxiliado pelo ajuste de altura do volante de série. Já a iluminação interna de cabine é boa, com 4 luzes individuais e uma principal localizada entre os bancos dianteiros.

Porta malas new fiesta
Porta malas bom para o tamanho do carro.

O volante tem boa pegdaa e alguns comandos do sistema multimídia "sync" estão presentes nele. Ao nosso ver, o volante é muito bom, mas faltam controle de volume e revestimento em couro igual ao dos bancos - itens que devem ser corrigidos no New Fiesta nacional para a versão Titanium.

O nível de ruído do novo Fiesta é surpreendentemente baixo em qualquer velocidade. Contribui para isso o para-brisas com sistema "SoundScreen" de redução de barulho do vento. Trata-se de tecnologia que insere uma camada transparente de proteção acústica instalada entre duas camadas de vidro, como um recheio. O motor sigma também ajuda, com funcionamento tão suave que muitas vezes parece estar desligado e mesmo em altas rotações a vibração é muito baixa.

Avançando pelo interior, o porta-luvas é bem posicionado, mas falta iluminação, algo que a Ford deve repensar para o modelo nacional. Os comandos de ar condicionado são fáceis de manusear e o sistema é de grande eficiência, incluindo saídas de ar para os ocupantes do banco traseiro (não direcionáveis), o que é um diferencial na categoria.

Os porta-objetos estão em bom número, com muitos porta-copos como destaque - algo que mostra bem o foco no mercado dos EUA. Possui todos os 5 cintos de segurança com 3 pontos automáticos, sendo 4 deles com ajuste de altura, mais ajuste de altura de bancos dianteiros e volante. Os 5 encostos de cabeça completam o bem resolvido interior do carro.

 

Para acessar as próximas sessões deste teste, basta clicar na opção desejada no menu do topo da tela. Para voltar ao começo do site, clique no logo do site acima.

 
 
 

Fiesta SE

  • 06/05/12
Exterior: Muito à frente em sua categoria

Se nos demais itens o novo Fiesta se destaca positivamente e geralmente supera a concorrência, o design do carro abre ainda mais distância em comparação ao restante dos itens. Por mais que visual seja um item subjetivo, o desenho do carro recebeu elogios por todos que o viram e mesmo na finalização de nossos testes, quase 1 ano após seu lançamento, as pessoas ainda torcem o pescoço para vê-lo. Mesmo prestes a mudar, o modelo está bem à frente de todos os seus concorrentes diretos: Possui vincos bem definidos e posicionados, dianteira arrojada incluindo grandes lanterna de formato fluido, traseira alta e harmoniosa com o restante do veículo, enfim, o desenho do carro é outro de seus destaques, talvez seu principal.

O acabamento externo não apresenta irregularidades ou encaixes tortos, algo que seria inaceitável nos EUA, país para onde o modelo atual mexicano é exportado. As borrachas das portas são de excelente qualidade e o fechar de portas tem barulho sólido e suave, tal qual modelos Honda e Toyota (exceto Etios), por exemplo. Como falamos no início, é um carro que fica devendo quase nada aos médios do mercado nacional.

 

Para acessar as próximas sessões deste teste, basta clicar na opção desejada no menu do topo da tela. Para voltar ao começo do site, clique no logo do site acima.

 
 
 

Fiesta

  • 06/05/12
Desempenho e mecânica: Acelera bem e bebe pouco

A mecânica do NewFiesta é convencional, mas muito bem resolvida. As suspensões são bem acertadas - um pouco duras nas versões de aro 16” por conta das rodas, e recebem a ajuda de controle de estabilidade e tração na versão avaliada - mais um ponto em que a maioria dos médios nacionais perde para o novo Fiesta. O modelo testado por nós tinha pouco mais de 16.000 km e as suspensões se comportavam como novas, sem qualquer ruído em pisos normais e um pouco irregulares e algum barulho de batente quando em pisos de péssima qualidade. No geral, agradou muito, mantendo o carro sob controle a qualquer velocidade.

O motor Sigma fica devendo comando variável, item presente na sua versão no exterior, mas segundo nossas medições realiza de forma admirável o casamento entre desempenho e consumo, pois o carro acelera forte (0-100 km\h em 10,2 segundos - álcool) e bebe pouco: testado em São Paulo, o carro obteve 7,7 km\l com álcool e 10,5 km\l na gasolina com ar condicionado ligado 100% do tempo. Testado em cidades com menos carros e mais organizadas que a capital paulista, mas ainda com algum tráfego, fez 9 km\l com álcool e 11,4 km\l com gasolina, sempre com o ar ligado. Em estrada, obedecendo os limites de velocidade das boas rodovias paulistas e novamente com ar condicionado ligado, chegou a impressionantes 11,7 km\l com álcool e 16,5 km\l abastecido com gasolina, sempre com bom desempenho em acelerações e retomadas. Mas não por isso devemos deixar de cobrar a marca para que lance o modelo nacional com o comando de válvulas variável, presentes no Sigma vendido na Europa e EUA.

O câmbio é leve, preciso e a alavanca está bem posicionada. A embreagem é curta e bem calibrada, mas achamos que poderia ser mais leve. Os freios, auxiliados pelo sistema ABS, são muito eficientes, mas o carro fica devendo discos traseiros. Na versão testada, o modelo contava com sistema de auxílio para subidas em rampas, que freia o carro por até 3 segundos antes de seguirmos com o carro saindo em uma ladeira, algo que o mercado como um todo poderia padronizar.

Na área da segurança, o novo Fiesta novamente surpreende e mostra que o modelo veio para realmente agitar o mercado. Em recente teste feito pela NCAP-Europe, o modelo foi o único compacto a obter 5 estrelas na média final. No Latin NCAP recebeu 4, a melhor média para um compacto à venda no Brasil até hoje. Para ajudar, o modelo testado contava com controles de tração e estabilidade, ABS e 7 air-bags. Sem dúvidas trata-se de um carro muito seguro.


Na próxima seção, confira como foram as notas do novn Fiesta SE em nosso teste.

 

Para acessar as próximas sessões deste teste, basta clicar na opção desejada no menu do topo da tela. Para voltar ao começo do site, clique no logo do site acima.

 
 
 

Ford Fiesta

  • 06/05/12
Novo Fiesta SE, vale a compra?

  • Notas

    Interior\Conforto: Nota 8

  • Prós:
     
     
  • - Boa ergonomia
    - Desenho moderno
    - Bom acabamento geral
    - Comandos por voz é uma inovação bem vinda

  • Contras:
  • - Algumas partes de plásticos das portas poderiam ter melhor qualidade, principalmente as maçanetas.

      Mecânica\Desempenho: Nota 8,5

    • Prós:
    • - Carro muito bem acertado em termos de direção e suspensões
      - Bom desempenho e consumo contido com qualquer combustível.

    • Contras:
    • - Ausência de comando de válvulas variável, que deve vir com o modelo nacionalizado
      - Ausência de freios a disco na traseira

        Exterior: Nota 9,0

      • Prós:
      • - Desenho arrebatador...
         

      • Contras:
      • - ... mas que mudará em breve - para melhor
         

          Segurança: Nota 10,0

        • Prós:
           
           
           
        • Prós: Contras: Versão intermediária tem apenas 2 air-bags e mereceria um 9,5, mas a básica não tem air-bags ou controles de tração e merece um 8 apenas pelas boas avaliações de crash-test. - Versão testada (completa) merece nota 10 e não é para menos, pois tem 7 air bags, controle de tração e estabilidade, ABS e ganhou as melhores notas na categoria nos testes euro NCAP e latin NCAP, incluindo nota máxima do instituto europeu.

        • Contras:
        • - Não há nada que desabone o modelo em segurança

            Resultado final: Nota 8,87

 

  • Resumindo

O Novo Fiesta passa muito longe de ser apenas um rostinho (muito) bonito no mercado de compactos premium. É uma quebra de paradigma do modelo em relação à geração anterior, tanto que faz parte de outra categoria. Apesar de dever um pouco mais de espaço para ocupantes do banco traseiro, nada comprometedor, diga-se, tem interior bem resolvido no geral, anda bem, bebe pouco e é muito seguro. Vale a pena o test-drive nele antes de decidir sua compra.

Para acessar as sessões deste teste, basta clicar na opção desejada no menu do topo da tela. Para voltar ao começo do site, clique no logo do site acima.

 

AutoNaWeb 2007 / 2016 - por TrendLabs Tecnologia